ESCS aposta na Investigação

Publicado: 29 julho 2019

As Linhas de Investigação da ESCS juntam docentes e estudantes em torno de projetos científicos de diversas áreas da Comunicação.

A aposta na Investigação é um dos eixos do Plano Estratégico da ESCS para o quadriénio 2018-2022. Como consta no documento, o objetivo passa por “apostar na criação de conhecimento, estreitando, cada vez mais, as relações e as parcerias com o mundo empresarial, órgãos e associações públicas, contribuindo e devolvendo valor económico, social e cultural à sociedade”. Como tal, as duas Linhas de Investigação surgiram, em 2016, mediante proposta do Conselho Técnico-Científico, com o intuito de cativar os docentes da Escola, que já desenvolviam projetos científicos, nas áreas da Comunicação, para centros de investigação externos, a fazê-lo, agora, com o cunho ESCS/IPL. O próximo passo é, segundo a Prof.ª Doutora Sandra Miranda, Vice-Presidente da Escola com o pelouro da Investigação, “trilhar caminho” para criar um centro de investigação acreditado na área da Comunicação.

A Investigação é um dos eixos estratégicos da ESCS.
Fotografia: Gabcom (Serviço de Comunicação da ESCS)

Quais são as Linhas de Investigação da ESCS?

A Linha de Investigação 1 – Media, Cultura e Tecnologia, coordenada pela Prof.ª Doutora Margarida Carvalho, desenvolve trabalhos de cariz jornalístico e multimédia, de interfaces entre cultura, história, tecnologia e políticas públicas, e de estudos de produção e receção mediática. Já a Linha 2 – Comunicação, Estratégias e Criatividade, coordenada pelo Prof. Doutor João Rosário, está focada nas práticas comunicacionais das organizações e seus stakeholders, agregando as áreas das relações públicas, comunicação organizacional, cultura corporativa, marketing e publicidade. De momento, são desenvolvidos, na ESCS, 21 projetos de investigação, sendo que dez estão inseridos na Linha 1 e onze na Linha 2.

A ESCS conta, atualmente, com um total de 21 projetos de investigação.
Fotografia: Gabcom (Serviço de Comunicação da ESCS)

Apoio e financiamento

“Não há investigação sem financiamento”, afirma Sandra Miranda. Como tal, as verbas atribuídas pelo Politécnico de Lisboa (no âmbito do concurso IDI&CA) e pela Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT) permitem que os projetos dêem “um salto qualitativo”, conferindo um “boost ao desenvolvimento” da Investigação na ESCS. Só em 2019, a quarta edição do IDI&CA selecionou, para financiamento, um total de 47 projetos, oriundos das oito unidades orgânicas do instituto. Dos oito projetos da Escola que concorreram a esta edição, cinco encontram-se, agora, a ser desenvolvidos.

A quarta edição do IDI&CA selecionou, para financiamento, cinco projetos da ESCS.
Fotografia: Politécnico de Lisboa

Por seu lado, o Gabinete de Apoio à Investigação (GAI), na ESCS, e o gabinete Projetos Especiais & Inovação (GPEI), no IPL, são fundamentais para a realização dos projetos de investigação. Estes serviços orientam as candidaturas, procuram outras fontes de financiamento e ajudam na concretização dos processos de trabalho.

Envolvimento de estudantes

Apesar dos projetos de investigação serem dirigidos por docentes, não raras vezes encontramos estudantes de licenciatura e de mestrado envolvidos, que colaboram de forma extracurricular. O projeto Narrativas e Experiência do Lugar: Bases para um Museu da Paisagem, coordenado pelo Prof. Doutor João Abreu, que foi concluído no passado dia 11 de abril, e o Living Lab on Media Content and Platforms – Lisbon Panel of Internet Users, coordenado pelo Prof. Doutor Filipe Montargil, são exemplos disso. Pretende-se, ainda, que os trabalhos finais de curso dos estudantes de mestrado comecem a estar, também, consonantes com os dos docentes, de forma a contribuírem para o desenvolvimento das Linhas de Investigação da Escola.


Consulte, aqui, os projetos desenvolvidos no âmbito das Linhas de Investigação da ESCS.