Revista Comunicação Pública

Call For Papers

A Comunicação Pública (CP) é uma revista científica destinada à publicação de trabalhos académicos, notas críticas e recensões de livros na área da comunicação e media (por exemplo: marketing, publicidade, relações públicas, multimédia, jornalismo, indústrias culturais, culturas visuais, etc.). A Escola Superior de Comunicação Social do Instituto Politécnico de Lisboa é promotora deste projecto editorial de raiz multidisciplinar que abrange várias áreas científicas tais como Sociologia, Antropologia, Filosofia, Economia, Psicologia, Estatística entre outras. A CP aceita artigos eventualmente já publicados noutras línguas, mas deverão ser sempre inéditos em português. A selecção dos artigos a publicar está sujeita a um processo de avaliação de double blind refereeing.

O call for papers encontra-se permanentemente aberto.


CHAMADA DE ARTIGOS
Comunicação Pública, vol. 13, n.º 25 (dezembro de 2018)

Número Temático Comunicação Interna Estratégica

Editora convidada: Sandra Pereira (ICML/ESCS e CIES/ISCTE)
Línguas: Português; Inglês; Espanhol
Data limite para a submissão de artigos: 10 de junho de 2018

Muitos são os desafios que se colocam hoje na comunicação com os colaboradores das organizações. A forma como as organizações comunicam internamente está a ganhar novos contornos, que trazem a debate inúmeras matérias. A natureza cada vez mais global dos negócios, que altera os princípios e os modelos de trabalho e colaboração, as crescentes exigências dos clientes, investidores e reguladores, os novos contornos do panorama mediático e as dinâmicas impostas pelos meios digitais e sociais, obrigam as empresas a repensar as suas formas de informar e dialogar com os colaboradores. Fala-se hoje em conceitos como o “trabalho remoto” e a “gig economy”, que representam um contexto económico onde as ocupações temporárias são comuns e as organizações contratam trabalhadores para compromissos de curta duração com contratos precários. Assistimos a uma força produtiva cada vez mais móvel, onde o trabalho pode ser feito fora da organização com o colaborador “desacoplado” da empresa. Da mesma forma, o advento do mundo digital propõe diferentes soluções, que resultam num contexto comunicacional mais centrado na partilha e colaboração entre todos os níveis e geografias da organização.

A viragem nos modelos de comunicação interna resulta também de um certo declínio dos estilos de liderança e de comando autoritários e coercivos, com uma crescente aproximação entre os gestores e as bases. Existe hoje nas organizações um maior espaço à voz dos colaboradores e um maior foco nas suas necessidades, podendo estes publicar comentários sobre as suas expetativas e realizações, ou apresentar críticas à linha de comando. Ao mesmo tempo, as novas gerações estão, cada vez mais, a escolher os empregadores em alinhamento com os seus propósitos e valores, procurando empresas que os estimulem e promovam o seu bem-estar. Isto obriga os gestores a olharem com mais interesse para as estratégias de comunicação interna, cujos propósitos passam por promover o goodwill e a moral interna fundamentais para alcançar o sucesso junto dos os restantes stakeholders da organização.

As questões apresentadas representam alguns dos eixos que queremos propor para debate neste número temático, dedicado à Comunicação Interna Estratégica. Consideramos existirem contributos no estudo desta matéria, desde o alerta feito por vários autores para a reduzida produção teórica da comunicação interna no âmbito da disciplina das relações públicas (Tench & Yomans, 2009, Versic et. al., 2012; Invernizzi at. al., 2012; Rolf, 2015), com a realização de congressos, conferências, e-Books e prémios promovidos por organismos como o Institute of Internal Communication (UK), o Institute for Public Relations (USA) ou o Observatório da Comunicação Interna (Portugal), e a realização de estudos de consultoras internacionais. Há ainda a destacar um conjunto recente de dissertações de mestrado e de doutoramento com foco em estudos de caso que problematizam falhas ao nível das práticas e das ferramentas, mas que também dão a conhecer boas práticas e modelos funcionais em determinados contextos empresariais. Contudo, seria desejável uma maior visibilidade desses trabalhos, abrindo a possibilidade a reflexões conjuntas.

Queremos, assim, centrar a abordagem no tema da Comunicação Interna Estratégica, entendida fundamentalmente no quadro das relações públicas e da comunicação organizacional. Aqui será pertinente questionar as fronteiras que delimitam esta área e as ligações que vêm sendo feitas a alguns conceitos mais ou menos “importados” ou “adaptados” de áreas distintas como a psicologia das organizações, o comportamento organizacional, os recursos humanos, a gestão ou o marketing, como é o caso do ‘engagement’, ‘branding interno’, ‘employee advocacy’, etc. Impõe-se também discutir a ligação à cultura organizacional, à responsabilidade corporativa e à ética empresarial, à liderança, à governança, à gestão de risco ou à conformidade. Será igualmente pertinente apontar novas tendências, ferramentas ou competências neste campo.

É nestes termos que o presente número temático ambiciona acrescentar novas e significativas leituras à realidade da Comunicação Interna num mundo global. Assim, serão bem acolhidas propostas inscritas nas problemáticas apontadas, fundamentadas numa investigação académico-científica, com destaque para os seguintes tópicos, embora não se limitando a eles em exclusivo:

1. Canais e suportes da comunicação interna (offline e online)
2. Influência estratégica e posição na hierarquia do poder
3. Comunicação interna e liderança / Empowerment dos líderes
4. Comunicação interna e engagement
5. Comunicação interna e cultura organizacional
6. Comunicação interna enquanto facilitador de mudança
7. Medição e avaliação de impactos e resultados
8. Voz e empowerment dos colaboradores
9. Contributo para os valores e visão da marca corporativa (no âmbito do posicionamento das RP)
10. Novos desafios e tendências futuras nas estratégias de comunicação interna

Datas importantes

Data limite para a submissão de artigos: 10 de junho de 2018
Data limite de envio do parecer final: 15 de julho de 2018
Entrega das versões finais: 10 de setembro de 2018
Data de publicação do número: 15 de dezembro de 2018

Submissão dos artigos

Os artigos devem ser submetidos para o seguinte endereço eletrónico: cpublica@escs.ipl.pt
Aceitam-se artigos em Inglês, Espanhol ou Português. Os textos completos devem ser enviados em Microsoft Word e conter resumo até 900 caracteres, 5 palavras-chave na língua em que estão escritos e também em inglês (no caso do artigo não estar escrito nesta língua) e os dados de identificação do autor (instituição, categoria, elementos de contacto e área de especialização). Os artigos, com bibliografias, anexos e referências não devem exceder 50.000 caracteres, incluindo espaços, notas, bibliografia, quadros, imagens, etc.; os estudos, notas e recensões individuais não deverão ultrapassar os 10.000 caracteres.
Os autores individuais ou coletivos dos artigos publicados renunciam aos seus direitos de autor a favor da Comunicação Pública.

Contacto

E-mail: cpublica@escs.ipl.pt