Uma Escola sustentável

Publicado: 24 novembro 2020

A ESCS recebeu a Bandeira Verde do Galardão Eco-Escolas 2020, pelas medidas que tem vindo a adotar ao nível da Ecologia e da Sustentabilidade.

No passado dia 13 de novembro, decorreu a cerimónia Galardão Eco-Escolas 2020, uma iniciativa da ABAE (Associação Bandeira Azul da Europa) que pretende destacar instituições de ensino que promovem ações de relevo ao nível da Sustentabilidade. A ESCS foi distinguida com uma Bandeira Verde, fruto das iniciativas que têm vindo a ser implementadas desde o início do ano letivo 2019/2020. No total, foram distinguidas 256 estabelecimentos de ensino portugueses, desde o pré-escolar ao superior, seis das quais pertencentes ao Politécnico de Lisboa (IPL).

A ESCS é, agora, uma Eco-Escola.

O caminho para ser uma Escola “verde”

A Prof.ª Dr.ª Alexandra David, vice-presidente da Escola responsável pelo pelouro da Sustentabilidade, explica que o plano de ação para a candidatura ao programa Eco-Escolas começou a ser desenvolvido no início do ano letivo 2019/2020. “Como era possível [ainda] não termos a bandeira?”, questiona a responsável, com humor. A docente considera que a atribuição deste galardão “significa que o trabalho foi reconhecido” e que é “um incentivo” para continuar a desenvolver medidas de Sustentabilidade.

Para a criação do plano de ação, a ESCS criou um conselho consultivo, composto pelas duas coordenadoras do projeto na Escola, a Prof.ª Dr.ª Alexandra David e a Prof.ª Doutora Sandra Miranda, por docentes (Ana Raposo, Ricardo Pereira Rodrigues e Rúben Neves), por colaboradores não docentes (Marcos Melo, do Serviço de Comunicação, e Carlos Jesus e Miguel Baptista, do Serviço de Gestão Multimédia), por estudantes da AE ESCS e do ESCS + Limpa, pelos Serviços de Ação Social do IPL, pela Junta de Freguesia de Benfica e pela Câmara Municipal de Lisboa. Apesar de esta equipa já estar formada, qualquer membro da comunidade académica poderá fazer parte deste conselho, bastando, para tal, contactar as coordenadoras.

No espaço circundante à Escola, foram plantadas cerca de 50 árvores.
Fotografia: Gabcom (Serviço de Comunicação da ESCS)
A comunidade escsiana pode encher garrafas de água reutilizáveis, nos quatro bebedouros que se encontram na Escola.
Fotografia: Gabcom (Serviço de Comunicação da ESCS)

Para a obtenção da Bandeira Verde, foram planeadas e colocadas em prática uma série de iniciativas, entre as quais:
– instalação de bebedouros, para promover a utilização de garrafas reutilizáveis;
– oferta de garrafas reutilizáveis, no início do ano letivo;
– incentivo ao uso de escadas, em detrimento dos elevadores, com o intuito de poupar energia elétrica;
– colocação de cartazes de apelo à poupança de água e de eletricidade nas casas-de-banho;
– substituição faseada das lâmpadas atuais por lâmpadas LED (mais económicas);
– colocação de ecopontos nos vários pisos da Escola;
– plantação de cerca de 50 árvores nos espaços circundantes à ESCS;
– implementação de serviço de take away no bar da Escola, em que os clientes podem usar os seus próprios recipientes, e doação da comida que sobra a uma organização, de forma a evitar o desperdício alimentar;
– os docentes foram mobilizados para adotarem temas relacionados com a Sustentabilidade nos trabalhos que são propostos aos estudantes;
– realização de uma feira de troca de roupa, por iniciativa de uma estudante, no âmbito de um trabalho desenvolvido numa disciplina;
– realização de uma feira de troca de sebentas, por iniciativa da ESCS + Limpa, uma atividade extracurricular dedicada às questões ambientais e que, segundo a Prof.ª Alexandra David, “tem sido um apoio essencial na mobilização dos estudantes”;
– dinamização das palestras “Comunicar (com) Liberdade & Responsabilidade – Justiça Ambiental” e “Biodiversidade vs. Economia Circular”;
– exibição da antestreia do filme “Mulher em Guerra”, sobre ativismo ambiental;
– divulgação de ações promovidas pela ABAE, entre as quais, o concurso nacional Póster Digital “Eco-Código”, no qual alguns estudantes da Escola participaram.

Uma das medidas do plano de ação consistiu na colocação de ecopontos em todos os pisos da ESCS.
Fotografia: Gabcom (Serviço de Comunicação da ESCS)

Para que, em 2020/2021, a ESCS continue a ser uma Eco-Escola, terá de voltar a candidatar-se ao galardão Bandeira Verde. Para tal, estão a ser preparadas novas iniciativas, para além daquelas implementadas no ano letivo anterior e às quais se dará continuidade. Exemplos disso são o Kit Escolar (composto por artigos produzidos com materiais sustentáveis), que a Escola distribuiu à comunidade escolar, e a colocação de dois Pilhões (um à entrada da Escola e outro no Centro de Equipamento Audiovisual). A Prof.ª Dr.ª Alexandra David desvenda, ainda, que a ESCS + Limpa está, neste momento, a desenvolver duas iniciativas que serão lançadas em breve.

Sustentabilidade em tempos de pandemia: vantagens e desvantagens

Em março, a meio do processo de candidatura ao programa Eco-Escolas, a Escola deparou-se com a pandemia de SARS-CoV-2, que trouxe vantagens e desvantagens para o plano que estava a ser posto em prática.

O contexto pandémico acelerou a implementação de algumas medidas, como foi o caso da colocação de torneiras temporizadoras nas casas-de-banho.
Fotografia: Gabcom (Serviço de Comunicação da ESCS)

A partilha de boleias era umas das propostas que estava em cima da mesa e que teve de ser adiada. Estava, também, prevista a construção de um estacionamento para bicicletas, com o apoio da Junta de Freguesia de Benfica, bem como a criação de uma oficina de bicicletas no Campus de Benfica do IPL. Mas, por outro lado, a pandemia veio acelerar a implementação de algumas iniciativas que já estavam planeadas. A maioria dos elevadores da Escola foram desligados, como medida de prevenção da propagação da COVID-19, o que se traduziu numa poupança energética. Nas casas-de-banho, as torneiras manuais deram lugar a torneiras temporizadoras, resultando numa redução do consumo de água. Já a nível administrativo, houve uma “desmaterialização de processos”, com a redução das impressões em papel.

O Kit Escolar sustentável foi uma das ações planeadas para o ano letivo 2020-2021.
Fotografia: Gabcom (Serviço de Comunicação da ESCS)

Eco-IPL

Ao mesmo tempo que a Escola planeava a sua candidatura ao Eco-Escolas, o Politécnico de Lisboa demonstrava, também, vontade de incluir todas as suas unidades orgânicas (UO) no programa, pelo que “o caminho acabou por ser feito em conjunto”, explica a vice-presidente da ESCS. Foi, assim, criado um EcoCampus, denominado Eco-IPL, que veio acrescentar iniciativas conjuntas aos planos de ação de cada instituição. Exemplos disso serão a oficina para bicicletas, palestras que serão divulgadas em todas as UO, um questionário anual que pretende analisar a pegada ecológica da comunidade IPL, entre outros. “Esta partilha de informação e de saber é fundamental para que nós consigamos ter cada vez mais adeptos”, considera a responsável pelas medidas de Sustentabilidade na ESCS. Ao nível da Investigação, o grupo de trabalho, dinamizado pelo Prof. Vítor Manteigas, da Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa, fez duas comunicações na 2.ª Conferência Campus Sustentável (CCS2020) e candidatou-se ao projeto Fundo Ambiental.

O Eco-IPL veio acrescentar iniciativas comuns a todas as unidades orgânicas.