Criatividade em todas as artes

Publicado: 06 dezembro 2019

A escsiana Inês Lucas, licenciada em Audiovisual e Multimédia, é a primeira e, para já, única designer da consultora imobiliária CBRE Portugal.

A música sempre esteve presente na vida de Inês Lucas. Como não queria seguir pela vertente clássica, a única disponível no Ensino Superior em Portugal, optou pela licenciatura em Audiovisual e Multimédia na ESCS, de forma a ganhar competências para realizar os videoclipes das suas canções. Os planos sofreram uma “reviravolta” quando, na Escola, descobriu que gostava mais de design. Após terminar o curso, a escsiana começou a trabalhar na consultora imobiliária CBRE Portugal, tornando-se na primeira designer interna da empresa.

Inês Lucas é licenciada em Audiovisual e Multimédia.
Fotografia: Gabcom (Serviço de Comunicação da ESCS)

As aulas práticas

A escsiana entrou na ESCS em 2013.
Fotografia gentilmente cedida por Inês Lucas

Inês entrou para a ESCS em 2013. Da licenciatura, lembra as aulas práticas, sobretudo as do último ano. “Senti que podia focar-me no que eu queria mesmo”, conta. A escsiana destaca, em particular, Laboratório de Produção de Conteúdos, a unidade curricular que, na sua opinião, “transportou melhor o real para os estudos”. Para além das matérias mais relacionadas com o curso, a antiga estudante confessa que gostou, também, de Análise Económica. “Em Artes Visuais, tive Matemática B e, depois, no Ensino Superior, senti falta dessa parte [e] gostei muito do Prof. Paulo Tinta”, daquela disciplina.

Extracurriculares

Inês aproveitou muitas das atividades extracurriculares da ESCS. Participou na edição de 2016 dos Commie Awards, esteve no departamento de design da ESCS FM, fez parte da AE ESCS e integrou a equipa fundadora da Bright Lisbon Agency. Mas confessa que foi na escstunis que mais cresceu. A escsiana entrou para a tuna da Escola no início do 1.º ano e, atualmente, continua a fazer parte da equipa. Começou na guitarra, instrumento que tocava antes de entrar na ESCS, e nas vozes. Passou, depois, para o bandolim e, no último ano do curso, para colmatar a saída de dois membros, iniciou-se na flauta transversal, que toca até hoje. Integrou a Direção Musical durante quatro anos e, nos últimos dois, foi Diretora Musical. Em 2019, cessou funções, mantendo-se apenas como membro da formação de palco.

Três anos após terminar o curso, Inês continua a fazer parte da escstunis.
Fotografia gentilmente cedida por Inês Lucas

O amor pela música

Inês conta que estudou música “toda a vida”. Aos 16 anos, criou uma conta de YouTube, na qual partilhava os covers que gravava. Atualmente, a página tem apenas dois vídeos de músicas originais, realizados pela escsiana no decorrer de duas viagens: às Dolomitas, nos alpes italianos, em 2018, e à Islândia, em 2019. “Enquanto estive nas Dolomitas, pensei em que música devia escolher para o vídeo. Lá, concluí que mais valia inspirar-me na natureza e fazer uma letra. Fiz a música, o vídeo, lancei, e as pessoas gostaram”, conta. Por isso, repetiu a experiência na viagem deste ano. Hoje em dia, Inês toca apenas músicas originais, que podem ser ouvidas na sua página de SoundCloud.

A antiga estudante esteve sempre ligada à música.
Fotografia: Gabcom (Serviço de Comunicação da ESCS)

A primeira designer da CBRE Portugal

Inês ainda estava na Escola quando começou a fazer, em regime de freelance, alguns trabalhos de fotografia de cobertura de eventos. Depois de terminar o curso, começou a enviar currículos e foi chamada para uma entrevista na CBRE Portugal. “Foi engraçado porque eu candidatei-me pelo site Carga de Trabalhos e, depois, pelo Gabinete de Estágios da ESCS. Mas não tinha percebido que era a mesma [vaga]”, conta. O processo de recrutamento correu bem e a escsiana começou a trabalhar na empresa, em dezembro de 2016, sendo a “primeira designer interna de sempre” na empresa.

Inês trabalha na CBRE Portugal desde 2016.
Fotografia: Gabcom (Serviço de Comunicação da ESCS)

A antiga estudante explica que o objetivo da consultora imobiliária é angariar vendedores e compradores para todo o tipo de imóveis, com exceção dos residenciais. Nesse sentido, trabalha em parceria com os diversos departamentos que, por sua vez, contactam com os clientes. Diariamente, está encarregue de desenhar as propostas dos diferentes imóveis, criar a linha gráfica de campanhas internas, como será o caso da de Natal, e apresentações para eventos. Por vezes, fotografa e filma edifícios e eventos internos. Até este ano, criava, também, conteúdos para a página de Instagram da CBRE Portugal. Contudo, essa função será, brevemente, assegurada por uma agência de comunicação. Caberá à escsiana a coordenação do trabalho desenvolvido por esta empresa.

O mundo perfeito

Inês envolveu-se e aconselha a vida académica da ESCS.
Fotografia gentilmente cedida por Inês Lucas

A escsiana considera que a licenciatura em Audiovisual e Multimédia é a mais indicada para quem ainda “não sabe bem o que quer no espetro do AM” pois, devido à abrangência de unidades curriculares, vai descobrir qual a vertente de que mais gosta. Por seu lado, defende que as atividades extracurriculares “definiram muito” o seu “método de trabalho e foco em relação aos prazos”. Por estes motivos, aconselha a ESCS “no geral, independentemente do curso”. “Logo na primeira semana, sentimos que estamos ali há 10 anos e que é o nosso novo espaço preferido, a nossa nova casa. É um mundo perfeito”, garante.

Por fim, desafiámos Inês Lucas a responder a uma espécie de Questionário de Proust:

Um objeto essencial para o teu dia-a-dia.
Computador.

Uma cidade ou um país.
Nova Iorque.

Uma música ou uma banda.
Bon Iver.

Um filme ou um realizador.
Inception, de Christopher Nolan.

Um livro ou em escritor.
José Saramago.

Uma série.
Dark.

Uma referência profissional.
O meu pai.

Quando for grande, quero ser.
O que eu espero fazer: música.


Conheça aqui mais histórias de perfis de Audiovisual e Multimédia.