Chamadas de Embalar

Publicado: 06 maio 2020

A iniciativa Chamadas de Embalar, cocriada pelo escsiano Rúben Pardal, teve como objetivo atenuar a saudade, durante o período de isolamento social.

Rúben Pardal é licenciado em Publicidade e Marketing.
Fotografia gentilmente cedida por Rúben Pardal

Em tempos de pandemia, em que a saudade aperta, Rúben Pardal, licenciado em Publicidade e Marketing, cocriou o projeto Chamadas de Embalar. Entre 6 e 16 de abril, foram distribuídas serenatas, cantadas ao telefone por artistas portugueses, a centenas de pessoas.

O escsiano, que trabalha como Digital & Brand Activation/Sponsorship Manager, na área de Gaming e Esports da Worten, explica que estava isolado há mais de 20 dias, longe dos seus familiares e amigos, quando percebeu que havia quem não tivesse acesso à internet e aos conteúdos em live stream ou facilidade no manuseamento destas funcionalidades. Em conversa, Rúben e a amiga Carolina Caldeira lembraram-se de que o telefone poderia ser “um verdadeiro meio para acabar com a saudade, mas com uma pequena surpresa, envolvendo a música”.

Durante duas semanas, a iniciativa convidou as pessoas a darem o nome e o contacto de alguém que estivesse longe e que quisessem surpreender. Os eleitos foram, depois, contactados pelos músicos, que tocaram as canções encomendadas. Beatriz Pessoa, Ditch Days, Ana Mariano, Marinho, Vasco Completo, Rita Dinis, Gabriel Petra, Surma, Madalena Palmeirim, Lour e Pedro Sacchetti foram os artistas que se disponibilizaram para colaborar. “Todos eles têm estilos diferentes entre si, o que trouxe uma carga artística muito bonita para o projeto, de forma a entregarmos, também, um abraço cultural a quem precisa de música na sua vida”, conta o jovem criativo.

O feedback do público que encomendou serenatas.
Imagem gentilmente cedida por Rúben Pardal

No total, foram entregues 650 serenatas. Devido ao elevado número de pedidos, Rúben confessa que a equipa não conseguiu dar resposta a todos. Por isso, associaram-se, ainda, à RDP Internacional, a rádio da RTP que tem como objetivo comunicar com os emigrantes portugueses, para fazerem uma serenata, em tempo real, a todos os ouvintes.

Concluída a iniciativa, o antigo estudante considera que “foi incrível a forma como a ação cresceu, como se propagou e as histórias e mensagens que tivemos de entregar: irmãos separados, amigas chateadas há 15 anos, casais que foram obrigados a ficar longe, médicos e profissionais de saúde que, através desta iniciativa, ganharam uma força extra para suportar tudo isto”.