Simbiose entre a academia e a profissão

Publicado: 01 junho 2018

Em período de candidaturas às pós-graduações da ESCS, João Pedro Padinha, de Branding e Content Marketing, e Célia Costa, de Storytelling, falam sobre a experiência que tiveram no curso e as mais-valias em relação aos estágios nas entidades parceiras.

João Pedro Padinha
Branding e Content Marketing

Após uma licenciatura em Ciência Política, João Pedro Padinha procurou desenvolver a sua criatividade na pós-graduação em Branding e Content Marketing. As competências demonstradas ao longo do percurso levaram-no a ser um dos estudantes selecionados para um estágio na empresa parceira do curso, a BAR Ogilvy, onde esteve durante seis meses.

O ex-aluno considera que a experiência o ajudou a “desenvolver técnicas novas e a pensar de forma diferente” e que a oportunidade de estagiar na agência lhe abriu “portas para grandes oportunidades”. Durante o estágio, trabalhou com marcas como a MTV Portugal, a Nickelodeon, a Bacardi ou a BP Portugal, fator que defende ter sido “uma mais-valia, tanto a nível pessoal como de currículo”, para além de ter podido “aprender diretamente com os profissionais” do ramo.

João Pedro explica que existe “uma transversalidade muito grande” no curso, que “permite trabalhar em áreas diferentes”, apesar de o foco ser a publicidade. Ao longo de um ano letivo, aprendeu a “definir targets, criar estratégia, compreender briefings”, entre outras coisas. “Em cada disciplina, houve um insight que se tornou valioso no meu dia-a-dia”, reflete. Na BAR Ogilvy, o ex-aluno desempenhou tarefas de relações públicas, mas, atualmente, é Digital Creative Strategist, na Sony Music Entertainment.

O escsiano defende que a pós-graduação é “uma óptima opção, se não a melhor”, para quem se interesse, queira aprofundar ou, simplesmente, goste das temáticas inseridas no plano currícular. “Esta dualidade entre professores académicos e profissionais da BAR Ogilvy torna-se num equilíbrio perfeito na educação dos formandos, permitindo um pensamento mais abrangente”, conclui.

Não abrirá 2.ª fase de candidaturas para a pós-graduação em Branding e Content Marketing.

Célia Costa
Storytelling

Célia Costa formou-se, inicialmente, no ramo do Ensino, tendo uma carreira de docente, desde 1995. O fascínio pela escrita para guião levaram-na a realizar várias formações na área. Após estas experiências, foi convidada a colaborar, como freelancer, na escrita da série Bem-Vindos a Beirais, emitida pela RTP. A ex-aluna explica que “custa muito quando tomamos consciência de que a profissão que escolhemos não corresponde exatamente ao que gostamos de fazer”, por isso, a pós-graduação em Storytelling ”surgiu como quem acena um rasgo de esperança”.

Do curso, Célia destaca a parceria com a SP Televisão, que garantiu uma aprendizagem com “excelentes profissionais da área”, para além do corpo docente da ESCS. “Levo um manancial de conceitos, procedimentos, técnicas, enfim, um legado de sabedoria transferido pelos melhores”, defende. Por ter sido uma das três melhores alunas do curso, Célia terá a oportunidade de estagiar no departamento de escrita da produtora. “Revelou-se uma prova de que é possível, sempre que se faz da vontade uma atitude”, refere. Para o estágio, leva a sua “enorme vontade de trabalhar com a equipa criativa”, contribuindo para a “produção de ficção nacional”.

Futuramente, caso se mantenha no sistema de ensino, Célia pretende dar formação a colegas, de forma a promover a escrita de guião na área curricular de Português. “Um projeto de criação de textos para dramatização, seja ele em forma de teatro ou de audiovisual, como parte integrante de uma parceria com docentes das TIC (Tecnologias da Informação e Comunicação), seria uma mais-valia para o desenvolvimento implícito e subtil de conteúdos essenciais”, conclui.

A 2.ª fase de candidaturas à pós-graduação em Storytelling decorre até 5 de setembro.

*Fotografias gentilmente cedidas por João Pedro Padinha e Célia Costa.