O caminho certo

Publicado: 05 julho 2019

PERFIL JORN: CATARINA DIAS RIBEIRO

Catarina Dias Ribeiro começou o seu percurso como jornalista no E2 e, hoje, exerce funções na editoria de Cultura da RTP.

Catarina Dias Ribeiro veio de Coimbra para estudar Jornalismo, na ESCS. Apesar de a Escola não ter sido a sua primeira opção, dado que, inicialmente, queria “um curso mais abrangente”, considera que “nada acontece por acaso” e que este foi “o caminho certo”. A jovem tem trilhado o seu percurso profissional em organizações como a TVI, o Grupo Impala e a RTP, onde é, atualmente, jornalista na editoria de Cultura.

Catarina Dias Ribeiro é licenciada em Jornalismo.
Fotografia: Gabcom (Serviço de Comunicação da ESCS)

Estudar na ESCS

Catarina ingressou na Escola em 2007. “O que eu mais recordo são as aulas práticas, aquelas em que nós nos fomos definindo e definimos os nossos trajetos”, refere. Durante o percurso académico, optou pelas disciplinas opcionais relacionadas com Rádio e Televisão, as áreas com que mais se identificava. “Para mim, a ESCS é o contacto com o mundo do trabalho, de uma forma real”, assegura.

A escsiana destaca o ambiente familiar da Escola.
Fotografia: Gabcom (Serviço de Comunicação da ESCS)

A escsiana destaca, ainda, a relação de proximidade que existe na Escola. “Tinha acabado de entrar no Ensino Superior, de mudar de cidade, e o facto de ser uma Escola com um ambiente quase familiar, de haver uma proximidade com os professores, que, se calhar, não existe em todas as instituições, foi uma grande vantagem”, refere.

E2: a grande paixão na ESCS

A antiga estudante começou a participar no programa de televisão da Escola, como repórter, logo no primeiro ano do curso. Mais tarde, fez o casting para apresentadora e conseguiu o lugar. A jovem jornalista gosta de dizer que o seu percurso profissional começou no E2, pela experiência que lhe proporcionou. “Foi o início de tudo, quando eu comecei a perceber que queria mesmo fazer jornalismo televisivo e apostar em formação nessa área”, explica.

Catarina considera que começou o seu percurso profissional no E2.
Fotografia: Gabcom (Serviço de Comunicação da ESCS)

Catarina defende que “só há mais-valias” em participar no E2, sendo uma oportunidade que “os alunos deveriam aproveitar”, por poderem trabalhar num “programa real, que é emitido”. “É muito importante, desde cedo, ganhar-se a noção de timing e deadline, de desenvolver o que é isso do Jornalismo, de fazer a pergunta que os outros gostariam de fazer e que nós temos a possibilidade”, considera.

Percurso no Jornalismo

A escsiana é jornalista na RTP, desde 2014.
Fotografia gentilmente cedida por Catarina Dias Ribeiro.

Quando terminou o curso, em 2011, começou por fazer um estágio de três meses na TVI, como repórter do programa “Portugal Português”. Após este período, ingressou noutro estágio, de um ano, nas editorias de Sociedade e de Cultura da RTP. Depois, em 2013, concorreu a um cargo no Grupo Impala. “Foi a minha única experiência em jornalismo escrito e, também, numa vertente mais cor-de-rosa”, conta. Em 2014, recebeu um convite para regressar à RTP, para fazer parte da equipa do magazine “In & Out”, dedicado à cultura e ao lifestyle. Mais tarde, esse programa deu lugar a um outro, “As Horas Extraordinárias”, e a equipa responsável acabou por assumir as funções da editoria de Cultura do canal. Atualmente, a escsiana faz conteúdos jornalísticos para todos os programas informativos da RTP.

“Os horários dos jornalistas são sempre um pouco variáveis”, explica Catarina. O seu dia-a-dia depende da previsão diária, “em termos de cobertura e agenda”. “Se tiver de sair em reportagem, que é o normal, a rotina é vir à redação, sair com o repórter de imagem, fazer a reportagem, regressar, visionar, escrever a peça e editar, para, depois, ser transmitida”, explica.

Catarina em entrevista ao cantor Michael Bublé.
Fotografia gentilmente cedida por Catarina Dias Ribeiro.

Proximidade com o mercado de trabalho

A escsiana defende que quem sai da ESCS “não cai de paraquedas no mundo profissional”, pelo facto de os estudantes serem preparados para os desafios que vão enfrentar. “Já estamos habituados a fazer contactos, a posicionar-nos perante uma câmara, estamos familiarizados com o microfone, com o ter de fazer, com o improviso”, explica. Catarina considera, por isso, que a licenciatura em Jornalismo é “a melhor opção” para quem tem a “veia de querer saber, questionar e ser jornalista”.

A escsiana defende que a Escola prepara os estudantes para o mercado de trabalho.
Fotografia: Gabcom (Serviço de Comunicação da ESCS)

Por fim, desafiámos Catarina Dias Ribeiro a responder a uma espécie de Questionário de Proust:

Um objeto essencial para o teu dia-a-dia.
A minha agenda. Apesar da era do digital, não dispenso a agenda em papel.

Uma cidade ou um país.
O Brasil. Tenho família lá, já fui muitas vezes e sou sempre muito feliz no Brasil.

Uma música ou uma banda.
Jamie Cullum.

Um filme ou um realizador.
Gosto muito de ver cinema e é-me difícil eleger um filme. Mas, quando era miúda, era super fã da saga do Harry Potter.

Um livro ou um escritor.
É complicado não falar de Fernando Pessoa.

Uma série.
Uma das últimas que vi e na qual me viciei é a Bates Motel.

Redação ou exterior.
Exterior.

Papel ou digital.
Papel.

Uma referência profissional.
Gosto muito da elegância e da assertividade da Clara de Sousa.

Quando for grande, quero ser.
Se possível, gostaria muito de continuar a trabalhar em Cultura.


Conheça aqui mais histórias de perfis de Jornalismo.