Catarina Silva vence BfK Ideas

Publicado: 18 dezembro 2018

Catarina Silva, licenciada em Audiovisual e Multimédia, foi a vencedora do concurso Born from Knowledge Ideas, na categoria de Turismo & Indústrias Criativas.

Catarina Silva, recém-licenciada em Audiovisual e Multimédia, destacou-se no concurso Born from Knowledge (BfK) Ideas, vencendo na categoria de Turismo & Indústrias Criativas, com o projeto Figure Follow. Como prémio, a escsiana participará, ao longo de três meses, no BfK Rise, um programa de aceleração de Ciência e Tecnologia.

Este concurso anual de empreendedorismo premeia as melhores ideias de negócio provenientes de Instituições de Ensino Superior públicas portuguesas baseadas em conhecimento científico e/ou tecnológico. A iniciativa é promovida pelo Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, através da Agência Nacional de Inovação (ANI).

A fase final decorreu no Creative Science Park, em Aveiro, no passado dia 12 de dezembro, onde foram apresentados 17 pitches, referentes aos trabalhos submetidos a concurso.

Catarina Silva venceu na categoria de Turismo & Indústrias Criativas, com o projeto Figure Follow.
Fotografia: Facebook da Born from Knowledge Ideas

O projeto

O Figure Follow trata-se de um software inovador, que tem como objetivo ajudar os atletas de patinagem artística, em especial os que estão numa fase inicial, a alcançar uma das principais metas: permanecer em cima da linha marcada no ringue.

Catarina já havia participado no concurso de ideias de negócio Poliempreende, captando a atenção pelo potencial da sua ideia, apesar de não ter conseguido alcançar nenhum lugar do pódio. Foi, por isso, selecionada pelo Politécnico de Lisboa (IPL) para concorrer ao BfK Ideas, no âmbito de um protocolo assinado, recentemente, entre o instituto e a ANI.

A competição atribuiu prémios em quatro categorias. Para além de Catarina, venceram, também, representantes das Universidades do Minho, do Porto e de Aveiro.
Fotografia: Facebook da Born from Knowledge Ideas

A experiência

A antiga estudante explica que ficou “extremamente entusiasmada” com o convite do IPL, uma vez que pretendia desenvolver a sua ideia, “com ou sem ajuda” externa. No âmbito desta participação, teve a oportunidade de assistir a ações de formação. “A maior parte das questões trabalhadas faziam pensar sobre os projetos, desenvolvendo, assim, não só a forma de apresentação como, também, o conteúdo”, explica.

A escsiana considera que foi uma “experiência fantástica”, ao nível da aprendizagem e da confiança que ganhou em relação à sua ideia de negócio. “Se tudo correr bem, brevemente, todos os atletas de patinagem artística terão a oportunidade de experienciar o Figure Follow”, conclui.