A experiência dos mestres – Parte 1

Publicado: 24 junho 2016

Encontram-se a decorrer, até ao dia 12 de julho, as candidaturas aos mestrados da ESCS.
Esta semana, damos a conhecer a experiência académica, e de que forma esta contribuiu para o sucesso profissional, dos ex-alunos Tiago Doroana Martins, mestre em Publicidade e Marketing, e Catarina Crespo, mestre em Gestão Estratégica das Relações Públicas.

Tiago Doroana Martins
(Mestrado em Publicidade e Marketing)

TiagoDoroanaMartins_307x354Licenciado em Jornalismo e mestre em Publicidade e Marketing (PM), pela ESCS, Tiago Doroana Martins é, atualmente, Gestor de Produto na Direção de Marketing e Consumo, na Vodafone, sendo responsável pelos serviços de Messaging e Voice Evolution. O ex-aluno começou a trabalhar em imprensa, ainda no decorrer da licenciatura, tendo, mais tarde, investido na vertente empresarial.

Tiago explica que sempre acreditou que “uma licenciatura é apenas uma licença para aprender”, pelo que nunca deixou de apostar em outras “áreas complementares”. A opção pelo mestrado em PM foi “altamente influenciada” pela experiência académica anterior: “o ensino da ESCS é realmente virado para o mercado de trabalho, embora nunca se descure a preciosa base teórica”, explica. O escsiano, que iniciou o curso já após diversos anos de experiência na área do Marketing, conta que o mesmo permitiu uma “solidificação das bases teóricas” do trabalho que desenvolve todos os dias, graças ao “enquadramento teórico e analítico” que aquele conferiu às funções que desempenha na empresa, e que o contacto com colegas oriundos de formações distintas “foi bastante enriquecedor”.

Para a conclusão da formação em PM, Tiago desenvolveu um trabalho de projeto intitulado Projeto de desenvolvimento de App de apoio ao cliente para operador de telecomunicações. O escsiano aproveitou o facto de ter “acesso privilegiado à informação” da operadora onde trabalha e, partindo do exemplo da aplicação MyVodafone, procurou “saber o que define uma boa app de apoio a cliente e o que poderia ser implementado em termos de interface, design e comportamento”.

Sobre a experiência no mestrado, refere que, principalmente para quem já está no mercado de trabalho, o curso é “ótimo para solidificar conhecimentos e ganhar/recuperar metodologias de abordagem de problemas e de investigação” e destaca o profissionalismo do corpo docente que “adiciona um valor tremendo” à formação.

Catarina Crespo
(Mestrado em Gestão Estratégica das Relações Públicas)

CatarinaCrespo_307x354Catarina Crespo é licenciada em Relações Públicas e Comunicação Empresarial e mestre em Gestão Estratégica das Relações Públicas, pela ESCS. Atualmente, trabalha como Country Manager da América Latina e do Mercado Ibérico, na Trybe, em Oslo. A escsiana explica que é “responsável pelo crescimento de comunidades nestes países, pela criação de parcerias estratégias com líderes de opinião e pela angariação de clientes no setor de consumer goods”.

Catarina refere que o mestrado, para além de consolidar o conhecimento adquirido na licenciatura, permitiu-lhe “desenvolver o pensamento crítico, aprender novas abordagens e técnicas de trabalho e conhecer um pouco a realidade de uma agência ou gabinete de comunicação, através de casos práticos”. A ex-aluna destaca, também, o “apoio incondicional” do corpo docente que a acompanhou.

Olá comunidade: As marcas no Facebook: um espaço mediado pelas Relações Públicas foi o título da sua dissertação, para a qual procurou perceber “o papel das Relações Públicas como mediadoras de relações no Facebook”. A escsiana explica que, na altura, em 2010, as redes sociais “ainda eram encaradas a medo pelas marcas, em Portugal”. Enquanto frequentou o curso, desempenhou funções de Social Media Manager (uma nova profissão na vertente digital da área das Relações Públicas), na Blue Pepper. Acompanhar o crescimento das marcas nas redes sociais, nomeadamente no Facebook, permitiu que pudesse escrever sobre “casos reais, os problemas que se levantavam do lado do cliente e do lado das comunidades das marcas e como é que, enquanto mediadora, respondia a estes desafios”, sempre numa perspetiva teórico-prática. Da experiência, Catarina conclui que “trabalhar e estudar ao mesmo tempo é bom e recomenda-se” e aconselha os estudantes a conciliarem um emprego com o curso para uma melhor perceção prática do que se está a aprender. “É ainda mais gratificante”, sublinha.

Fotografias gentilmente cedidas por Tiago Doroana Martins e Catarina Crespo.